Varizes pélvicas: o que são e como cuidar

Início/Sintomas e Cuidados/Varizes pélvicas: o que são e como cuidar

Varizes pélvicas: o que são e como cuidar

Se você sofre com varizes nas pernas, pode imaginar o que seriam as varizes pélvicas. Esse problema desagradável atinge muitas mulheres, principalmente aquelas que se situam entre 30 e 50 anos e que já tiveram uma ou mais gestações. Aquelas que têm histórico de varizes na família também estão propensas a tê-las.

Já as varizes pélvicas aparece em 10 a 15% das mulheres. Veja suas características, seus sintomas e o melhor tratamento.

O que são varizes pélvicas?

Em primeiro lugar, varizes são veias superficiais anormais, dilatadas e tortuosas que indicam uma alteração funcional da circulação venosa. Em palavras simples, provém do adoecimento dos vasos, que não conseguem trazer perfeitamente o sangue sem oxigênio de volta ao coração e aos pulmões.

Esse problema de circulação aparece, mais comumente, nas pernas. Entretanto, ele pode aparecer na pélvis, nos ovários e útero. É a síndrome da congestão pélvica ou varizes pélvicas. Normalmente, aparecem varizes nas genitais externas e nas extremidades inferiores.

Na gravidez, as varizes pélvicas aparecem com maior frequência por causa do alargamento das veias da região (boa conexão com o feto).

Quais os sintomas?

As varizes pélvicas são difíceis de serem identificadas. Não à toa, muitas mulheres que sofrem com elas visitam médicos de diversas especialidades ao apresentarem sintomas pouco claros. Dentre alguns sintomas, podemos citar:

Existe tratamento?

Quando o médico suspeita da síndrome de congestão pélvica, ele pedirá alguns exames de imagem para diagnosticar, como o Eco-Doppler abdominal ou transvaginal, a angiografia por tomografia computadorizada ou a ressonância magnética.

Inicialmente, ele pode prescrever medicamentos para diminuir a dor. Mas o tratamento para varizes pélvicas é feito por meio de cirurgia ou técnica de embolização.

Na cirurgia, o médico dá um nó nas veias afetadas para que o sangue circule somente nas veias saudáveis.

Na embolização, pequenas molas são colocadas nas veias pélvicas dilatadas para bloquear o fornecimento de sangue. Assim, é possível diminuir os sintomas de dor e desconforto. A oclusão das veias afetadas também pode ser feita com escleroterapia com espuma ou outros embolizantes.

Nos dois casos, a internação é necessária.

Durante o tratamento, a mulher deve tomar o cuidado de usar meias elásticas de compressão e praticar exercícios físicos para estimular o retorno do sangue venoso para o coração.

 

As varizes pélvicas causam muita dor e desconforto. Para evitar esse problema, é preciso cuidar do corpo. Caminhadas diárias por 45 minutos e outras atividades físicas melhoram a circulação sanguínea. Não é recomendável ficar muito tempo em pé e parada, nem utilizar roupas apertadas que dificultam a circulação sanguínea. As grávidas devem optar por dormir de lado para diminuir a pressão do útero na veia cava.

Com essas dicas de prevenção, você pode conseguir evitar as varizes pélvicas. Mas alguns sintomas desse problema podem indicar, na verdade, outro. O útero baixo. Já ouviu falar? Leia no nosso blog!

Tratamento Íntimo a Laser - Rejuvenescimento Íntimo

Dra. Alice Jaruche Nunes

Dra. Alice Jaruche Nunes

A dermatologista Alice Jaruche Nunes atua na Clínica Alice Jaruche Dermatologia, em São Paulo, SP. Seu contato é (11) 3090-4092 ou pelo site www.alicejaruche.com.br.

Sua formação inclui:

- Formada pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP);
- Residência médica em Dermatologia pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP);
- Possui título de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia;
- Pós-Graduação em Cirurgia Dermatológica pelo
- Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP).
Dra. Alice Jaruche Nunes
By | 2019-03-20T10:28:34+00:00 29/12/2018|Categorias: Sintomas e Cuidados|Nenhum comentário

Deixar Um Comentário